MAGINA SÓ

MAGINA SÓ… APRESENTAÇÃO:

“Imagina Só” propõe o encontro de dois apaixonados pelo imaginário popular brasileiro.

A contadora de histórias catarinense Josiane Geroldi, e o violeiro paulista Paulo Freire, resolveram juntar-se para a criação deste novo espetáculo, inspirando-se nos causos da mitologia e cultura brasileira,

O encontro entre os dois artistas nasceu a partir de uma cena criada no Auditório Ibirapuera, para o espetáculo de abertura do “Boca do Céu – Encontro Internacional de Contadores de Histórias”, edição de 2016, em São Paulo.

Dona Jô e Nhô Paulo esperam o público sentados. E puxam a prosa: vocês sabem como é que a cascavel ganhou o guizo? Sabem como é que faz pra virar uma onça do avesso? Desconfiam como faz pra chocar um famaliá? Já viram uma dança de Tangarás? Já experimentaram virar o olho pra dentro da cabeça?

Tudo isso e mais um bocado de causo extraordinário!

Tendo como referência nossos contadores de histórias mais tradicionais, os artistas tecem uma ligeira sucessão de acontecimentos e canções, provocando a imaginação da plateia e reafirmando a importância de cuidarmos dos seres de nossa terra.

Os artistas se apresentam no Centro Cultural Casarão no dia 27 de maio, às 19h.

Peça Mármores (12/05)

O casarão recebe o espetáculo no dia 12 de Maio, sábado, às 20h

Sobre o espetáculo:

O espetáculo “Mármores” foi escrito no ano de 2013 pela dramaturgia e diretora do Estrada, Paloma Dourado. No entanto, somente no início de 2015 é que a peça começou a ser estudada para a montagem. Atores, direção, sonoplastia, cenograa e iluminação dialogaram com o texto e deram forma ao espetáculo .

O tema também possibilitou à reexão do Grupo acerca do abuso sexual contra crianças e adolescentes , além de coleta de dados estatísticos de diversos setores públicos

O Grupo de Teatro Estrada apresenta seu novo trabalho em comemoração aos 20 anos de existência com pesquisa de linguagem explorada pelos atores através das provocações da dramaturgia e direção construídas com base em Samuel Beckett e do Teatro da Morte, com Tadeuz Kantor.

A linguagem é repensada por meio da palavra, dos espaços e imagens que criam signos e símbolos através das ações cênicas, sonoplastia e iluminação. 

O tempo não existe e a realidade é uída para os personagens.

Por mais que a temática seja sobre abuso sexual infantil, a dramaturga Paloma esclarece que o foco do espetáculo é a tensão psicológica entre as personagens no decorrer da trama.

Nesse espetáculo, a cção transpassa a realidade e cria um outro lugar para o embate com o público”.

Duração da peça : 50 minutos.

Classificação etária : 15 anos

FICHA TÉCNICA:

Texto: Paloma Dourado

Direção: Paloma Dourado

Elenco: 

Fernanda Bugallo

Kellen Tobaldini

Raphaela Silva

Vlademir Daniel

Cenário: O Grupo

Sonoplastia: Bruno Fernandes

Iluminação: Bruno Santana e Douglas Lyra

Concepção de Figurino: O Grupo

Operador de luz: Bruno Santana

PEÇA MARMORES CASARAO

Um Banquete para Tamora

Peça: Um Banquete para Tamora
duração aprox: 1hora
Adaptação livre de Titus Andronicus de William Shakespeare, com enfase na pesquisa sobre os Gestos do doutorado de Igor Capelatto, pela Unicamp, na área de Multimeios, com orientação do Prof Dr. Ernesto Giovanni Boccara.

A peça traz uma linguagem surrealista (atemporal e não-espacial) mesclando steampunk, cyberpunk, barroco, colagem, readymade e assemblage. Com o foco no gesto, a peça visa enfatizar o corpo enquanto forma e linguagem (narrativa cultural do corpo), e a subjetividade do gesto (suas variadas interpretações), com base nos estudos de Agamben, Benjamin, Flusser, Eco, Galard, Francine Simões, entre outros.

O elenco conta com o apoio, carinho e dedicação de 8 atores voluntários: André Luis, AV Junior, Jaqueson Luiz Silva, Laura Cesarini, Luis Henrique Bento, Nando Almeida, Tiago Monteiro, Tiemi Kimura; a dedicação e fabulosa arte de Rafael Ghiraldelli (diretor de arte da peça), Fernanda Pupo e a equipe de arte com Vadermar Queiroz Jr, Larissa Souza e Tiago Francis; a música maravilhosa adaptada e original de Carlos Cassim, com mixagem e captação de Daniel Chinelatto com participação dos amigos Fernando Lacerda e Fa Bonilha, além das bandas Acron e Jewel Box.

A produção é de André Farias (com apoio da APA).

A concepção e direção é de Igor Capelatto.

A peça narra a história do General Titus que volta de uma guerra de longos 10 anos, com alguns de seus filhos e soldados mortos, não tem mais forças para continuar governando sua pátria e designa seu cargo militar a seu filho Lucius e o cargo político a um membro do senado Saturninus. Em meio a desavenças com seus inimigos Aaron e Tamora (e seus dois filhos), Titus jura vingança e um efeito dominó de vinganças vai desenrolando.

Com a vingança em seu ápice, a peça discute além da própria vingança, o papel da mulher na sociedade, o papel da política, o papel da família e a violência.

Outro importante signo da peça, que serve como estética visual e narrativa (simbolismo), é o banquete que na peça de Shakespeare serve como amarra e climax de toda trama, pelo qual a narrativa do alimento (comida, cozinhar, servir, degustar) se torna elemento compositor de tudo que se desenvolve em torno de Titus.

A peça terá pre-estreia no final de junho de 2018, no Centro Cultural Casarão, em Barão Geraldo, Campinas, SP, que tem nos apoiado com espaço para ensaios e apresentação.

Por fim, além de todo esses apoios, a peça conta com uma campanha de arrecadação de doações (apoio cultural e patrocínio).

 

Campanha Casarão 2018

Estamos em campanha! Melhorias na infraestrutura do Centro Cultural Casarão são necessárias para que as atividades comunitárias, artísticas e culturais sigam funcionando em boas condições. A campanha financeira Nessa Casa Tem Goteira requisita contribuição financeira daquele e daquela moradora do Distrito de Barão Geraldo que puder contribuir. O espaço é público e é nosso! Precisa de um local para desenvolver atividades comunitárias, apresentar espetáculos, organizar encontros? Junte-se ao coletivo! A reunião para agendar atividades é na primeira segunda feira do mês, chega mais!

 

Para colaborar basta acessar o link: https://benfeitoria.com/nessacasatemgoteira

Reestreia Meia Hora

Reestreia Meia Hora: Um rádio espetáculo pelo fim da violência contra as mulheres

Inspirado nos programas de notícias de rádio e tendo a máscara como mote, a bailarina Daniela Alvares Beskow reestreia o solo Meia Hora: Um rádio espetáculo pelo fim da violência contra as mulheres. O trabalho foi lançado em agosto de 2017 na abertura da Mostra Seda em Campinas e chega em novo formato em 2018. O tema do espetáculo é a violência contra as mulheres no Brasil. A máscara com os olhos fechados propõe metáforas para abordar as estatísticas de mulheres violentadas todos os dias no país: sem rosto, se transformam em números, sujeitos tornados desconhecidos no discurso público. A não visão e a relação com o espelho também propõe um questionamento da construção social da feminilidade, que reflete o que não vê, promovendo um distanciamento de si, mediado pelas expectativas sociais do que é ser mulher. Meia Hora é um programa de rádio que se passa em 2028 e apresenta o seguinte panorama: não há mais violência contra as mulheres no Brasil. O espetáculo propõe as reflexões: que tramas sociais queremos construir e quais queremos destruir? A reestreia conta com a parceria de Maíra Prates na criação da iluminação. O texto dramatúrgico é o primeiro de Daniela Alvares Beskow, que é também escritora.

Meia Hora: Um rádio espetáculo pelo fim da violência contra as mulheres
Concepção, dramaturgia e execução: Daniela Alvares Beskow
Criação da iluminação: Maíra Prates
Fotografia: Nina Pires
Duração: 30-40 min.
Faixa etária: 14 anos

Captura de Tela 2018-03-12 às 16.41.51

Por Daniela Alvares Beskow